domingo, 15 de julho de 2012

AUGUSTIN

Lá estavam, todos ao redor da nuvem branca. As cores eram quase imperceptíveis, tal era a luminosidade da cena. As asas prontas para alçar voo, logo que desejassem. Quando, do meio da parede macia e branca, surge uma figura, aparentemente forte, alta, pele negra, olhos muito atentos e...

― Aqui é alcool ou gasolina?

O ronco do motor assustou todos os pombos, que beliscavam suas migalhas no meio da fumaça. Ele se aproxima, curva o corpo, põe as mãos na janela do carro, e, com sotaque que mais parecia um nordestino tentando falar espanhol, nos dirige sua ensaiada cortesia:

― Boa tarde, meu nome é Augustin, benvindo ao posto Decano, estou aqui para servi-lo, espero que tenha um ótimo dia.

Uso as vírgulas aqui por rigor gramatical, mas em favor da verdade mais verdadeira, não houve sequer separação fonética das sílabas. Toda a frase parecia uma única palavra. Resultado: “Sorry, can you repeat please?”

― Boa tarde. (segundos) Meu nome é Augustin (outros segundos). Benvindo ao posto Decano(segundos mais demorados dessa vez). Estou aqui para servi-lo(segundos não tão demorados agora). Espero que tenha um ótimo dia. (silêncio).

Augustin é do Haiti. Está em Santiago há três meses. Conseguiu um emprego de frentista no Posto de Combustível Decano e definitivamente sabia chegar numa conversa. Em cinco minutos de atendimento, soubemos de sua viagem, de sua origem, de sua idade, sua família, seus planos: limpar o vidro, checar a calibragem dos pneus e todo o resto que se oferece num posto de combustível.

Só o vimos uma única vez, esta vez, em todo o nosso tempo no Chile e agora ele está aqui, compondo esta galeria de contos de férias. Para não dizer que não falamos de coisas importantes.

Um comentário:

  1. Estou aqui, sem sono. Que bom um conto de ferias para ler. Muito bonito. Desculpe a falta de acentos... Nao achei... Obrigada pelas lindas palavras no blog. Amo voce. Espero que possa ter a mesma alegria que tenho em meu casamento. Bj. Rose

    ResponderExcluir